Só Jesus Cristo é o Senhor

Fé e Obras 1 e 2

A Fé e As Obras - I

 

Somos justificados pela fé ou pelas obras?

Rm. 3.28, “o homem é justificado pela fé sem as obras da lei”

Tg. 2.24, “o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé.”

Introdução - Os evangélicos de hoje estão divididos sobre o evangelho. Os judaizantes do passado pregavam que a justiça provinha das obras (At. 15.1; Gl. 2.21). Existem muitos evangélicos hoje que pregam que a graça não é suficiente para preservar os salvos até o dia de Jesus Cristo. Pregam que, além de crer em Cristo Jesus é necessário ser batizado , falar línguas , ser fiel às Escrituras , guardar o sábado , e outros deveres diversos . Portanto, os evangélicos ensinam igual aos judaizantes, pois adicionam obras à graça para efetuar uma eterna salvação, ou seja, a salvação não é por Deus somente pela graça, mas incluem as obras do homem.

Existem os que pregam que a salvação é puramente pela graça de Deus e que Ele termina aquilo que Ele começou (Jo. 10.27-30; Fp. 1.6; Jd. 24-25). Dizer que é necessário uma obra qualquer do homem salvo para manter, selar, completar, ou segurar a sua salvação de qualquer forma, não é a mensagem de Cristo (Mt. 4.17) e nem dos apóstolos (At. 15.7-11; 20.21) e portanto não é uma mensagem alternativa do evangelho. Tal pregação não é salvação mas é maldição (Gl. 1.6-9). Tal pregação não é uma pregação bíblica da graça, mas uma heresia que fundamenta uma suposta salvação nas obras (Rm. 11.6; Gl. 5.1-4). Então se vê que os evangélicos estão divididos sobre o evangelho.

O Argumento da Justificação Sem as Obras - O apóstolo Paulo diz pela inspiração que somos salvos pela fé e não pelas obras. (Ef. 2.8-10, “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie; porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.”; Gl. 2.16). Essa verdade é enfatizada pela vida de Abraão: “Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus.” (Rm. 4.2). Usando Abraão ainda mais ele termina: “Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei.” (Rm. 3.28). O assunto não é difícil de entender. Somos salvos pela fé e não pelas obras. A nossa justificação é por confiar nas obras de Cristo na cruz. Pela fé na Sua obra, somos salvos! Não haveria dúvida nenhuma sobre esse assunto se não tivesse outro comentário que usasse a palavra justificação em conexão com as obras.

O Argumento da Justificação Pelas Obras – Tiago usa a palavra justificação em conexão com as obras. Tiago, um homem santo de Deus falando palavras pela inspiração ensina que a fé sem as obras é morta (Tg. 2.17, “Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma.”) Ele pronuncia a verdade tão pura quanto Paulo raciocina que as obras são verdadeiramente necessárias e faz uma afirmação interrogativa: “Porventura o nosso pai Abraão não foi justificado pelas obras, quando ofereceu sobre o altar o seu filho Isaque?” (Tg. 2.21). O raciocínio claro de Tiago conclue o assunto: “Vedes então que o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé.” (Tg 2.24). Se não tivesse outra afirmação na bíblia sobre o assunto feita por outro escritor, não teríamos nenhuma dúvida que somos salvos pela operação conjunta de fé e as obras.

Quando a bíblia parece estar contra si mesma, é necessário um olhar bem melhor. Qualquer argumento que lança as Escrituras contra as Escrituras nunca é um argumento sábio. Quando parece estar contra si mesma é necessário um exame melhor do contexto de cada passagem. Só assim saberemos o que Deus intentou nos ensinar. O Pr. Davis Huckabee, no seu estudo sobre hermenêutica cita um colega dele: “Não há nenhum texto separado do contexto”.

O Contexto de Rm. 3.28, “o homem é justificado pela fé sem as obras da lei”

Em Romanos capítulo três, o apóstolo Paulo trata salvação pela fé. Ele explica primeiramente sobre a condição deplorável do homem pecador, tanto judeu quanto gentio (Rm. 3.1-9). É estipulado que os dois povos estão igualmente debaixo do pecado, e portanto, condenados de igual forma (Rm. 3.10-20). Diante da lei todos são pecadores, e, pela graça de Deus, sem um tratamento diferenciado para com o judeu sobre o gentio, todos que creem Jesus Cristo pela fé conhecem a justiça de Deus (Rm. 3.21-24). Paulo ensina que tal salvação pela fé exalta Deus por Ele ser tanto o justo e justificador daqueles que tem fé em Jesus (Rm. 3.26). Tendo tratado o assunto da salvação pela fé igualmente ao judeu ou ao gentio Paulo declara: “Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei. É porventura Deus somente dos judeus? E não o é também dos gentios? Também dos gentios, certamente, visto que Deus é um só, que justifica pela fé a circuncisão, e por meio da fé a incircuncisão.” (Rm. 3.28-30).

Quando Paulo usa a palavra “justifica” (v. 30); “justificada” ou “justificado” (v. 20, 24, 28) ele a usa em sentido judicial, ou seja, de homem para com Deus. No grego essa palavra tem este significado: apresentar (manifestar, demonstrar) justo ou inocente (#1344, dikaioo, Strongs). O culpado pode ser apresentado justo e inocente (justificado) diante de Deus somente pela fé na obra de Jesus Cristo.

No capítulo quatro, Paulo continua essa lógica bíblica em que a salvação é pela graça de Deus para com todos que creem pela fé em Jesus Cristo. Paulo relembra aos cristãos na igreja em Roma que Abraão creu em Deus pela fé, e, igualmente como todo e qualquer pecador salvo, a sua fé lhe foi imputada como justiça (Rm. 4.1-3). Se fosse a salvação de outra forma qualquer, não seria segundo a graça, mas segundo a dívida (Rm. 4.4). Essa fé de Abraão, para a salvação da sua alma, não foi quando ofereceu o seu filho prometido a Deus (Gn. 21), mas uns quarenta anos antes, quando ainda na incircuncisão (Gn. 15; Rm. 4.9-22). Resumindo, Abraão foi salvo pela fé em Jesus Cristo como qualquer pecador arrependido em qualquer época. O contexto das declarações de Paulo é um contexto de salvação. Ele ensina isto: o pecador arrependido é feito justo diante de Deus pela fé nas obras de Cristo Jesus e não pelas obras do pecador.

O contexto de: Tg. 2.24, “o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé.”

Tiago tem outro foco, ou seja, os salvos comprovam a sua fé pelas obras de obediência da Palavra de Deus. Na passagem de Tiago capítulo dois ele está falando aos “irmãos” (v. 1), ou seja, aos salvos, sobre a vivencia da sua fé (“não tenhais a fé de nosso Senhor Jesus Cristo ..., v. 1). Ele ensinou que os que tinham a fé verdadeira não deveriam tratar os salvos ricos com mais amor e respeito do que os salvos de menos poder aquisitivo (v. 1-14). Ele relembra que Deus salva mais pobres do que ricos (v. 5-7) e além disso, devem amar o próximo (rico ou pobre) como a si mesmo (v. 8-13). Resumindo: Tiago enfatiza que os salvos comprovam a sua fé pelas obras de obediência.

Tiago usa a mesma palavra de Paulo (#1344, dikaioo, Strongs) para ensinar essa verdade. Mas uma diferença importante é observada, ou seja, a apresentação da sua qualidade de justo ou inocente não está diante de Deus (uso judicial) mas diante dos irmãos e do mundo (uso prático)!

Tiago ensina essa verdade para mostrar como a nossa fé deve ser exercitada diante dos homens. Por exemplo: para com os que não têm o suficiente para vestir ou comer (v. 14-20). Ele raciocina, se a fé em Jesus Cristo não faz diferença na sua vida para com os irmãos; se não manifesta a conformidade à imagem do Salvador (Rm. 8.29); se não há compaixão para com o seu irmão, a sua fé está morta! Ele implica que tal “cristão” está enganado, e não tem a fé verdadeira! A lição de Tiago é: As suas obras justificam ou manifestam se você é um justo verdadeiro. Ou em outras palavras, a sua fé é justificada (manifesta, declarada, apresentada como justa) pelas obras.

Outro exemplo de Tiago para ensinar que a comprovação da fé é pelas obras é Abraão. Abraão manifestava ou apresentava a sua fé pelas obras quando ofereceu sobre o altar o seu filho Isaque (v. 21-24). Nesse mesmo sentido Tiago usa Raabe como outro exemplo para ensinar que a comprovação da fé é pelas obras. Raabe apresentava a sua fé pelas obras diante dos outros quando recolheu os emissários, e depois despediu por outro caminho (v. 25-26). A fé destes foi justificada pelas obras. Resumindo: Tiago ensina que a fé correta produz as obras de obediência.

Aplicação – Paulo e Tiago estão ensinando verdades bíblicas e inspiradas. Todavia não estão ensinando a mesma verdade ao mesmo grupo de pessoas. É como foi dito por um teólogo: “O pecador é justificado pela fé. A fé do cristão é justificada pelas obras” (Dr. J. B. Link, citado pelo B. H. Carroll)

Paulo ensina que há uma justificação diante de Deus e essa é somente pela fé nas obras de Cristo na cruz pelos pecadores que se arrependem e creem. Você tem essa justificação? Se tiver, a sua fé é de Deus pela graça.

Tiago ensina que há também uma justificação diante dos outros e essa é pelas obras do cristão em obediência à Palavra de Deus. A lealdade do cristão é provada pelas obras. Você tem essa manifestação bíblica da sua fé diante dos outros? Se não tiver, a sua fé não é tão boa quanto pensa; é morta

 

A Fé e As Obras - II

Somos justificados pela fé ou pelas obras?

Rm. 3.28, “o homem é justificado pela fé sem as obras da lei”

Tg. 2.24, “o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé.”

Introdução - Os evangélicos de hoje ainda estão divididos sobre o evangelho. Os judaizantes do passado pregaram que a justiça provém das obras (At. 15.1; Gl. 2.21). Existem muitos evangélicos hoje que pregam que a graça não é suficiente para preservar os salvos até o dia de Jesus Cristo. Pregam que, além de crer em Cristo Jesus é necessário ser batizado , falar línguas , ser fiel às Escrituras , guardar o sábado , e outros deveres diversos . Portanto, os evangélicos ensinam igual aos judaizantes, pois adicionam obras à graça para efetuar uma eterna salvação, ou seja, a salvação não é por Deus somente pela graça, mas incluem as obras do homem.

Existem os que pregam que a salvação é puramente pela graça de Deus e que Ele termina aquilo que Ele começou (Jo. 10.27-30; Fp. 1.6; Jd. 24-25). Dizer que é necessário uma obra qualquer do homem salvo para manter, selar, completar, ou manter a sua salvação de qualquer forma, não é a mensagem de Cristo (Mt. 4.17) e nem dos apóstolos (At. 15.7-11; 20.21) e portanto não é uma mensagem alternativa do evangelho. Tal pregação não é salvação mas é maldição (Gl. 1.6-9). Tal pregação não é uma pregação bíblica da graça, mas uma heresia que fundamenta uma suposta salvação pelas obras (Rm. 11.6; Gl. 5.1-4). Então se vê que os evangélicos estão divididos sobre o evangelho.

As passagens principais usadas nessa confusão são Romanos 3 ou Gálatas 2 e Tiago 2. Tudo se traz ao equilíbrio quando é considerado que Paulo e Tiago estão ensinando verdades bíblicas e inspiradas. Todavia não estão ensinando a mesma verdade ao mesmo grupo de pessoas. É como foi dito por um teólogo: “O pecador é justificado pela fé. A fé do cristão é justificada pelas obras” (Dr. J. B. Link, citado pelo B. H. Carroll).

Resumindo: Paulo ensina que há uma justificação diante de Deus e essa é somente pela fé nas obras de Cristo na cruz pelos pecadores que se arrependem e creem. Você tem essa justificação? Se tiver, a sua fé é de Deus pela graça.

Tiago ensina que há também uma justificação diante dos outros e essa justificação é pelas obras do cristão em obediência à Palavra de Deus. A lealdade do cristão é provada pelas obras. Você tem essa manifestação bíblica da sua fé diante dos outros? Se não tiver, a sua fé é morta.

Observando uns Versículos Prediletos dos Confusos – Mesmo com essas principais passagens esclarecidas muitos evangélicos insistem com uma margem de ousadia que as obras são necessárias para obter ou manter a salvação.

Existem muitos que enfatizam que a bíblia coloca o ensino do batismo junto com a fé para ensinar que Deus exige tanto a fé em Cristo quanto o batismo para haver a salvação. Estes afirmam que os muitos casos bíblicos que claramente mencionam estes dois conceitos juntos são necessariamente juntos por ser essenciais para uma salvação completa. Resumindo: creem que essas obras do pecador e da igreja são necessárias para inicialmente serem salvos ou para posteriormente manterem-se salvos.

Se separar tais passagens do resto da bíblia, e, se desprezar a obra completa da alma de Cristo que satisfez o Seu Pai (Is. 53.10-11), então, com essa hermenêutica anti-bíblica (II Pe. 1.20) pode sustentar essa heresia. Mas, se acoplar essas passagens com o que ensina o resto da Palavra de Deus, especialmente com as verdades de Paulo e Tiago, entenderá perfeitamente o relacionamento do batismo com a fé na salvação.

Os que afirmam tal heresia estão confusos. Se houver apenas um versículo no seu contexto que nos ensina nitidamente que a salvação é pela fé e não pelas obras (Ef. 2.8-9), nunca pode ser tolerada a mínima ideia que a salvação seja de outra forma (Rm. 16.17; Fp. 3.2; Gl. 2.21; Cl. 2.8). Repetindo, se for estabelecido biblicamente o ensino em que as obras dos homens ou da igreja tornam impossível a salvação pela graça (Rm. 11.6), jamais poderá ser tolerada a confusão criada pela interpretação contrária ao evangelho verdadeiro (Gl. 1.6-9). O evangelho é explícito na sua afirmação: A salvação é somente pela graça (Ef. 2.4-9). Se as obras entram para obter a salvação, a graça é aniquilada (Rm. 4.4-5).

Tomando a luz dos ensinos de Paulo e de Tiago e examinando as passagens usadas para sustentar a confusão, entenderemos melhor que as obras nunca são para nos salvar mas sempre porque somos salvos.

Heresia número 1: Batismo e a Fé são Necessários para a Salvação - Existem as passagens que aparentemente enfatizam que o batismo junto com a fé é salvação. Quando essas passagens são submetidas aos ensinos de Paulo e Tiago, a aparência é trocada pela realidade, a dúvida é substituída pela confiança e a heresia esclarecida pela doutrina apostólica.

Sim, aquele que crê e for batizado será salvo (Mc. 16.16); sim, para a remissão dos pecados é necessário arrepender-se e ser batizado (At. 2.38); sim, aqueles que são batizados em Cristo (Rm. 6.3-5) são salvos. Essas pessoas que creem e submetem-se ao batismo testemunham pelas suas obediências que têm a fé verdadeira, ou seja, aquela fé que deleita-se na lei do Senhor. Se a fé não manifestasse as obras de obediência, seria uma fé morta.

A fé que tem as obras de obediência é uma fé verdadeira e por isso há justificação por ela. Rm. 6.3-5 enfatiza essa verdade. Os batizados são aqueles que pela fé morreram, foram sepultados e ressurretos em Cristo. Por estarem em Cristo andam em novidade de vida. O apóstolo Paulo raciocina: não sabeis que “todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?”. Os que se submetem a ser batizados declaram que morreram com Cristo já. Todavia ele não diz que somos mortos com Ele pelo batismo. É lógico: Todos que foram sepultados com Ele pelo batismo na morte, ou seja, naquela morte que o batismo figura, como Cristo foi literalmente ressuscitado dentre os mortos, estes andarão publicamente “também em novidade de vida.” Todavia não é pela figura do batismo mas pela fé em Cristo que somos atualmente ressurretos e capacitados a andarmos em novidade de vida. A salvação completa é assegurada pela fé neste Jesus Cristo que morreu, foi sepultado e ressurreto no lugar do pecador. A salvação é completa em Cristo e outorgada pela fé. O batismo apenas declara essa fé.

Os que creem pela fé, os que identificam com a morte, sepultamento e ressurreição de Cristo devem se batizar. Por quê? São estes que têm a fé verdadeira para com Deus, e por isso, buscam ser obedientes a Deus.

Foi Deus que pediu que publiquemos a nossa fé pelo batismo. Então, seria correto dizer: aquele que crê e, sendo possível, não for batizado, não será salvo. O fato de não ser obediente, quando tiver a oportunidade, revela que a sua fé é falsa. Aquele que tem uma fé que não obedeça a Deus jamais será salvo.

Heresia número 2. Fidelidade às Escrituras é Necessária para a Salvação - Aqueles que enfatizam fidelidade às Escrituras para manter a salvação erram um pouco, digo, erram um pouco demais. Erram para a perdição, pois não creem em Cristo como O caminho único para estarem com o Pai (Jo. 14.6). A bíblia ensina que aquele que tem a fé verdadeira será fiel às Escrituras, pois ausente tais obras, evidente é que aquela fé é morta. Ou, melhor, aquele que é salvo perseverá até ao fim (Mt 24.13, “Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.”). Se não tiver a fé verdadeira não perseverá até ao fim. A fé verdadeira testifica-nos e aos outros pela nossa fidelidade às Escrituras. É como a parábola das dez virgens (Mt. 25). Aquelas que têm a fé verdadeira são aquelas que fizeram os preparativos prévios e estavam prontas para quando o Noivo chegar. As outras tinham uma fé que as levavam a esperar pelo Noivo, mas na hora decisiva, testemunharam a todas a falta dos preparativos prévios, ou seja, as obras de uma fé verdadeira (Ef. 2.10; Tg. 2.17-19).

Você tem sido justificado diante de Deus por Jesus Cristo? Você já está apresentado diante de Deus como um justo e inocente através da sua fé em Jesus Cristo? Se ainda não foi declarado justo diante de Deus por ter as obras de Cristo em seu favor, qualquer obra que se faz não adianta nada para com Deus em seu favor. Se ouvirdes a Sua voz agora, arrependa-se dos seus pecados e creia já em Jesus Cristo como Seu Salvador! Sem fé as obras em nada importam!

As suas obras como um Cristão manifestam que você já está em Cristo? A sua fé está demonstrando uma crescente obediência e conformidade à imagem de Cristo? Se a sua fé não tiver as obras de obediência a sua fé é falsa!

 

Correção gramatical: Edson Elias Basilio - 12/2009

Bibliografia

BÍBLIA SAGRADA. São Paulo, Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, 1994.

CARROLL, B. H., B. H. Carroll’s Interpretation of the Whole Bible., em CD, kdoidaho@earthlink.net

Let Us Reason Together, A Fe Sem as Obras é Morta, tradução por Mary Schultz, http://www.cpr.org.br/fe_sem_obras.htm

 

11/2009 Presidente Prudente, São Paulo

Pastor Calvin G Gardner – http://www.PalavraPrudente.com.br – PastorCalvin@PalavraPrudente.com.br

 

Bibliografia

BÍBLIA SAGRADA. São Paulo, Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, 1994.

CARROLL, B. H., B. H. Carroll’s Interpretation of the Whole Bible., em CD, kdoidaho@earthlink.net

Let Us Reason Together, A Fe Sem as Obras é Morta, tradução por Mary Schultz, http://www.cpr.org.br/fe_sem_obras.htm

 

Autor: Pr Calvin Gardner
Correção gramatical: Edson Elias Basilio - 12/2009
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

Pesquisar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Neil Armstrong2  Redação: Pastor Geciano Vieira