Só Jesus Cristo é o Senhor

Carta a igreja em Efeso

INTROUÇÃO

Deus está falando para a igreja e não para o mundo!, como um chamado de atenção, para que seu povo se torne vencedor.

Deus escolheu essas sete igrejas, e a realidade dessas igrejas, naquele momento, para servir como figura profética de, como a igreja iria se desenvolver na história.

A apostasia entra nas igrejas, pela falta de conhecimento da palavra, seguindo doutrinas de homens.

A força da apostasia está no desconhecimento da Palavra de Deus.

Estas cartas descrevem o início, o desenvolvimento e o fim do período da igreja. É a história do cristianismo. É a única profecia dada especificamente para a igreja.

Ap 2:1-7: CARTA À IGREJA EM ÉFESO

1 - "Escreve ao anjo da igreja em Éfeso (desejada, solta, relaxada): Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro".

Éfeso pode ser traduzida por duas coisas interessantes, mas, opostas: desejada ou solta. Nós vemos nessa igreja as primeiras sementes da apostasia que entrou na igreja. Éfeso era a principal cidade da província romana da Ásia. Lá estava o templo da grande deusa Diana dos efésios, também chamada Artemis, que era uma das sete maravilhas do mundo antigo.

Quando Paulo começou a pregar contra o paganismo, por duas horas os efésios ficaram gritando: grande é a Diana dos efésios. (At 19:28).

Essa foi à igreja em que Paulo trabalhou por três anos. Também dirigiu essa igreja, Áquila e Priscila, Timóteo e João. E trinta anos depois de Paulo ter doutrinado essa igreja, a primeira carta do Apocalipse vai para ela.

Já sabemos que as estrelas são os líderes das igrejas, e os candeeiros as igrejas. É o princípio da igreja. Jesus andando no meio deles tendo os líderes na sua mão direita.

2 - "Eu sei de tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e o que não podes suportar aos maus; e puseste à prova os que dizem serem apóstolos e não o são, e tu os achaste mentirosos.

Este versículo nos mostra uma igreja que trabalhava, suportava provas, tinha perseverança e tinha preocupação com a qualidade dos que trabalhavam para ela.

 

3 - E sofrestes, e tens paciência; e trabalhaste em meu nome, e não te cansaste.

Era uma igreja que passava por tribulações, suportava prova, trabalhava para o reino e tinha perseverança.

4 - Tenho, porém contra ti que abandonaste o teu primeiro amor.

5 - Lembra, pois donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres.

O primeiro amor aqui, fala de Jesus. É possível sermos dedicados a obra, ao trabalho do Senhor, sem termos o amor que Deus espera que tenhamos.

O primeiro amor, fala do prazer e da alegria de simplesmente estar com a pessoa amada. Eles não tinham deixado de amar o Senhor, mas seu amor não tinha mais o mesmo fervor, profundidade e significado do início (Ef 1:15,16)

A igreja ou o crente pode ficar tão ocupado em servir, que nem sobra tempo para adorar o Senhor.

É preciso querer andar com o Senhor, amá-lo, conhecê-lo, fazer tudo para agradá-lo, isso é o primeiro amor. E obras sem o amor, são vazias.

O verdadeiro testemunho começa com o que somos e se manifesta no que falamos e fazemos.

Isso é muito sério, tanto que Jesus fala: "e tirarei do seu lugar seu candeeiro, se não te arrependeres." Deus remove da sua presença, não mais haverá óleo do espírito, não terá mais luz.

O fim do primeiro amor é porta de entrada para demônios de separação, destruição. Podemos até fazer uma comparação com um casamento: quando se deixa desaparecer o primeiro amor, a conseqüência disso é a rotina, o descaso, tudo é feito automaticamente, outras coisas vão tomando o interesse. Perder o primeiro amor é prenuncio de perder o testemunho para Deus, e esse é o objetivo de estarmos aqui neste mundo.

Nós queremos andar com Deus pelas maravilhas e pelos milagres, e não apenas pela sua presença. Calcula-se, pelas informações dos evangelhos que 30% da vida de Jesus, ele ficou de joelhos diante do Pai. Por isso tudo acontecia. Jesus não fazia nada, sem antes ficar em longos períodos de oração. E tudo depende desse amor.

6 - Tens, contudo a teu favor, que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio.

Jesus condena o nicolaitismo ("nical" = vencer/dominar, "laos" = povo, isto é conquistar/dominar o povo) que começa a se formar na igreja. O clero se investe de uma autoridade que o Espírito Santo nunca deu.

Não existe distinção entre leigos e clero. A igreja toda é reino de sacerdotes (I Pe 2:9; Ap 1:6). Nós todos devemos ser sacerdotes do Deus vivo.

Dominar o povo é uma doutrina diabólica que entrou na igreja nessa época. É outra doutrina de homens. A diferença que há, é dos dons exercidos na igreja.

Essa idéia de que o povo não entende da Palavra e que só alguns têm essa capacidade, é obra de nicolaíta, isso é usar da liderança para dominar o povo. Não querem deixar o povo se aproximar diretamente de Deus.

Essas são as duas raízes da apostasia (a perda do primeiro amor e o nicolaitsmo) que ao invés de serem arrancadas, foram cultivadas e permanecem na igreja até hoje:

7 - Quem tem ouvidos ouça, o que o Espírito diz às igrejas. “Ao que vencer, dar-lhe-ei de comer da árvore da vida, que esta no paraiso de Deus”.

Quando o homem pecou, foi proibido a ele comer da árvore da vida, pois ela perpetuaria a condição de pecador. Não haveria a chance da salvação. Essa é a promessa ao vencedor, a devolução dessa condição, e com ela a vida eterna.

Pesquisar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Neil Armstrong2  Redação: Pastor Geciano Vieira