Só Jesus Cristo é o Senhor

A Arte da Guerra 1

A Arte da Guerra - Parte 1
Primeiro: Deus sempre anima seu povo para a guerra
Autor(a): Pr. Josué Gonçalves

 

"De novo, Davi consultou a Deus, e este lhe respondeu: Não subirás após eles; mas rodeia por detrás deles e ataca-os por defronte das amoreiras; e há de ser que, ouvindo tu um estrondo de marcha pelas copas das amoreiras, então, sai à peleja; porque Deus saiu adiante de ti a ferir o exército dos filisteus" (1 Cr 14.14-15).
  
   Para poder descobrir os princípios de Deus para a batalha espiritual foi necessário estudar praticamente todos os episódios de guerra no Antigo Testamento. Descobre-se, por exemplo, que Deus deixou algumas nações na terra de Israel com o fim de trei­nar os israelitas para as guerras que teria pela frente. Está escrito que as nações ficaram "...para por elas provar a Israel" (Jz 2.22) e "...para lhes ensinar a guerra" (Jz 3.2). É por isso que Moisés disse a respeito de Deus que "...O Senhor é homem de guerra" (Ex 15.3).
   Em doze das guerras pesquisadas foi possível encontrar e resumir os princípios da arte da guerra aqui apresentados, entre estas a guerra contra Amaleque em Êxodo 17.8-16, cuja característica é a intercessão e autoridade na batalha. Uma outra é a  guerra contra Jericó cuja característica é a estratégia contra o inimigo. Está no livro de Josué 2.1 e 6.3-20. A destruição de Ai, é uma outra guerra cuja característica é o ataque surpresa e de emboscada. Esta guerra é descrita em Josué 8.22-29.
   Encontram-se princípios da arte da guerra no registro de Josué 10.6-15 na defesa de Gibeom; na luta de guerrilha que Eúde travou contra o rei Eglon, pegando-o de surpresa e bloqueando todas as saídas de  fuga do inimigo, cujo episódio está em Juízes 3.15-31. Na batalha de surpreendente de Gideão contra os midianitas a arte empregada por Deus é diferente de todas as guerras: poucos guerreiros e sem armas (Juízes 7.2-22).
   A arte da guerra pode ser encontrada na batalha dos israelitas contra os filisteus em que Davi mata a Golias, o gigante due­lista. Davi, um desconhecido pastor de ovelhas se revela guerreiro e profeta. Está em 1 Samuel 17.41-58. Há uma outra guerra de Davi contra os filisteus em que o princípio divino foi a sutileza da tática, em que Deus diz a Davi como deveria atacar o inimigo (2 Samuel 5.17-25).
   Encontram-se princípios dessa arte divina na guerra que Josafá travou contra os moabitas. Nesta guerra houve uma palavra profética de um descendente de Asafe orientando o rei e seu exército a enfrentar o inimigo com louvores e adoração a Deus, ao invés de armas (2 Cr 20). Outro episódio está registrado no livro de Neemias por ocasião da reconstrução de Jerusalém, em que Neemias, como governador enfrenta os poderosos inimigos de Deus na terra, de onde se pode tirar ótimas lições para a vida da igreja. O registro está  em Neemias 4.6-23.
   O leitor poderá examinar o episódio em que o profeta Eliseu é levado à força para estar na frente da guerra contra os amonitas, em episódio narrado em 2 Reis 2.15-27. E finalmente uma ba­talha decisiva quando Davi livra a cidade de Queila cujo registro está em  1 Samuel 23.1-14. Estudando todas estas batalhas com empenho e dedicação pode-se encontrar muitas verdades. Uma grande parte das descobertas sequer é mencionada neste livro, mas são verdades aplicáveis para toda a vida cristã.
  
 
  Primeiro: Deus sempre anima seu povo para a guerra
  
   Na arte de guerra divina Deus ensina que é contra o desânimo, e sempre incentiva seu povo a seguir adiante. Ele encoraja seus fi­lhos à vitória, qualquer que seja a circunstância, a menos que haja desobediência entre o seu povo e este não esteja preparado para a guerra. Alguns exemplos: A Moisés na hora do maior aperto, Deus o anima, dizendo: "Por que clamas a mim? dize aos filhos de Israel que marchem" (Ex 14.15).
   Depois da morte de Moisés, Deus chama a Josué e o anima a entrar na terra com o povo. É o que se vê no primeiro capítulo de Josué várias vezes: "Dispõe-te, agora. Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida, como fui com Moisés assim serei contigo: não te deixarei nem te desampararei. Sê forte e corajoso ...tão somente sê forte e corajoso. Não to mandei eu? Sê forte e corajoso; não temas nem te espantes..." (Js 1.2,5.6,7,9).
   A Gideão que, escondido e com medo dos midianitas malhava o trigo Deus o anima, dizendo: "O Senhor é contigo, homem valente" (Jz 6.12). Gideão não era tão valente assim, porque várias vezes pede sinais a Deus antes de seguir adiante, mas o ânimo divino o impulsionou para a guerra. Isaias fala da parte de Deus dizendo ao povo: "Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita, e te digo: não temas que eu te ajudo. Não temas ó vermezinho de Jacó, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz o Se­nhor..." (Is 41.13,14).
   Os registros do Antigo Testamento mostram que os profetas, apesar das dificuldades se mostravam otimistas animados por Deus. Pode-se ver isto nos profetas Zacarias e Ageu, em textos como: "Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos. Quem és tu, ó grande monte? Diante de Zorobabel serás uma campina..." (Zc 4.6,7). No capítulo 3 de Zacarias, o profeta vê o sumo sacerdote Josué, sendo atacado por Satanás que lhe fazia oposição, mas o anjo do Senhor repreende a Satanás e  age em defesa de Josué, dizendo: "O Senhor te repreende, ó Satanás..." (Zc 3.1,2). O profeta Ageu também trouxe palavras de ânimo àqueles que estavam diante de Deus na tarefa de reconstrução de Jerusalém, e disse a Zorobabel: "...sê forte, Zorobabel, diz o Senhor, e trabalhai; porque eu sou convosco... o meu Espírito habita no meio de vós; não temais" (Ageu 2.4).
   Os profetas viam a destruição e o mal, mas traziam palavras positivas ao povo, especialmente em época de guerra. Escondido na caverna de Adulão, perseguido por Saul que o perseguia, Davi, recebeu uma palavra do profeta Gade, dizendo: "Não fiques neste lugar seguro; vai e entra na terra de Judá" (1 Sm 22.5). Baraque tinha receio de ir à guerra, e ouviu de Débora, uma mulher a palavra do Senhor para que tomasse dez mil homens para combater a Sísera (Jz 4.6,7). Josafá, ainda perplexo sem saber como proceder, recebe de um profeta de nome Jaaziel uma palavra de ânimo e a orientação em como proceder para sair à peleja contra os amonitas (2 Cr 20.15-17). Diante de uma situação onde não há retorno e numa guerra onde o povo de Deus é ameaçado, os profetas de Deus sempre falaram positivamente.

 

Pesquisar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Neil Armstrong2  Redação: Pastor Geciano Vieira