Só Jesus Cristo é o Senhor

O Arrependimento atrição e contrição.

12/07/2011 20:21

Texto Ez 18.30-32

“A “mensagem inaugural de João Batista, o qual serviu como arauto de Jesus Cristo foi:” Arrependei-vos porque o Reino de Deus está próximo”.

 Este chamado ao arrependimento foi um apelo urgente aos pecadores. Ninguém que se recusa a arrepender-se poderá jamais entrar no Reino de Deus. O arrependimento é um pré-requisito, uma condição necessária para a salvação.

 Nas Escrituras, arrependimento significa "experimentar alguém uma mudança de mente". Esta mudança de mente não é uma mera questão de mudar opiniões secundárias, mas de toda a direção da vida. Envolve uma conversão radical, do pecado para Cristo.

 O arrependimento não é a causa do novo nascimento ou regeneração; é o resultado ou fruto da regeneração. Apesar de o arrependimento começar com a regeneração, ele é uma atitude que deve se repetir por toda a vida cristã. Porque continuamos a pecar, somos chamados a nos arrependermos cada vez que somos convencidos de nosso pecado pelo Espírito Santo.

 Os teólogos fazem certa distinção entre dois tipos de arrependimento. O primeiro é chamado de atrição. Atrição é um tipo falso ou espúrio de arrependimento. Envolve o remorso pelo medo da punição ou pela perda da bênção.

 Todos os pais têm testemunhado a atrição num filho, quando ele é pego com a mão na lata de biscoito. A criança, temendo a punição chora: "Sinto muito, por favor, não me bata!" Essa súplica, acompanhadas por "lágrimas de crocodilo", geralmente não são sinais de arrependimento genuíno pela ação errada.

É o tipo de arrependimento que Esaú demonstrou (Gn 27.30- 46).  Ficou triste não porque tinha pecado, mas porque tinha perdido seu direito de primogenitura. A atrição, pois, é o arrependimento motivado pela tentativa de conseguir um passaporte para fora do inferno ou para evitar outro tipo de punição.

 A contrição, por outro lado, é o arrependimento verdadeiro e piedoso.

É genuíno. Inclui um profundo remorso por ter ofendido a Deus. A pessoa contrita confessa franca e plenamente seu pecado, sem nenhuma tentativa de se justificar ou se desculpara. Este reconhecimento do pecado é acompanhado por um desejo espontâneo de fazer restituição, sempre que possível, e uma decisão de abandonar o pecado.

 Este é o espírito do arrependimento que Davi demonstrou no Salmo 51:"Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus." (Sl 51.10,17).

 Quando o arrependimento é oferecido a Deus num espírito de verdadeira contrição, ele promete nos perdoar e restaurar nossa comunhão com ele: "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça." (1 Jo 1.9).

 Sumário

1. Arrependimento é uma condição necessária para a salvação.

2. Arrependimento é o resultado da regeneração.

3. Atrição é um falso arrependimento motivado pelo medo.

4. Contrição é o verdadeiro arrependimento motivado por um remorso piedoso.

5. O arrependimento inclui a plena confissão, restituição e a decisão de abandonar o pecado.

Autor: R. C. Sproul

Fonte: 2º Caderno Verdades Essenciais da Fé Cristã – R.C.Sproul. Editora Cultura Cristã.

 

Voltar

Pesquisar no site

Foto utilizada com a permissão da Creative Commons Neil Armstrong2  Redação: Pastor Geciano Vieira

Criar um site grátis Webnode